sexta-feira, 12 de junho de 2015

Mulheres e meninas estão "ficando para trás" na luta contra HIV na África

Relatório da ONU mostra que na região Subsaariana doenças relacionadas à Aids foram as principais causas de morte entre mulheres e meninas em idade reprodutiva; em 2013, as meninas representaram 74% das novas infecções de HIV entre adolescentes.
A prevalência do HIV entre as mulheres pode chegar a sete vezes mais do que entre os homens. Foto: Unaids
Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.
Um novo relatório da ONU em parceria com a União Africana mostrou que apesar dos avanços globais na luta contra a Aids, mulheres e meninas na África estão ficando para trás no combate à epidemia.
Segundo o Programa Conjunto sobre HIV/Aids, Unaids, na região Subsaariana as doenças relacionadas ao vírus representam a principal causa de morte entre mulheres e meninas em idade reprodutiva.
Novas Infecções
Em 2013, o documento afirma que as meninas representaram 74% das novas infecções com HIV entre adolescentes africanos.
A ONU diz que as jovens mulheres e as meninas adolescentes acabam contraindo o HIV, em média, entre cinco a sete anos antes do que os meninos.
Além disso, a prevalência do HIV entre as mulheres pode chegar a sete vezes mais do que entre os homens.
A diretora-regional do Unaids para a África Oriental e Austral, Sheila Tlou, afirmou que "na ausência de uma vacina, as melhores opções disponíveis para combater o problema são: acabar com a violência de gênero, manter as meninas nas escolas e empoderar mulheres e adolescentes".
Compromissos
O relatório da ONU e da União Africana cita três compromissos políticos que devem ser adotados para avançar com os direitos e o empoderamento de mulheres e meninas no continente africano.
O primeiro é acabar com novas infecções de HIV entre jovens mulheres e meninas para que a Aids deixe de ser a maior causa de mortes entre os adolescentes.
O segundo compromisso se refere ao empoderamento do grupo através da educação sexual e, por último, evitar infecções com HIV entre crianças e manter as mães vivas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário