Pular para o conteúdo principal

QUEM SOU EU


Emanuelle Goes, Idealizadora do Blog População Negra e Saúde. Doutora em Saúde Pública com concentração em Epidemiologia (ISC/UFBA). Realizou Doutorado Sanduíche na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação (Universidade do Porto). Mestra em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia com concentração em Gênero, Cuidado e Administração em Saúde, na Linha de Pesquisa Mulher, Gênero e Saúde. É integrante do MUSA - Programa de Estudos em Gênero e Saúde (ISC/UFBA), Programa de Estudos em Doenças Crônicas Não Transmissíveis, Curso de Vida e Envelhecimento - Elsa/Brasil (ISC/UFBA), Grupo de Pesquisa Saúde da Mulher, Enfermagem, Gênero, Raça e Etnia (Escola de Enfermagem/UFBA). Conselheira Nacional de Saúde pelo segmento de usuárias/os - Movimento Negro (2016). Criadora e Blogueira do População Negra e Saúde (2011). Fundadora do Odara - Instituto da Mulher Negra (2012), coordenadora do Programa de Saúde. Professora Substituta em Enfermagem Comunitária (Pré-natal) na Escola de Enfermagem (UFBA) (2012 - 2014) . Foi Assessora de Gênero e Raça no Fundo de População das Nações Unidas (2009) no acompanhamento do Programa Interagencial. Implementou e Coordenou a Política de Saúde da População Negra no Município de Lauro de Freitas (2007). Possui especialização em Saúde Coletiva com concentração em analise de dados secundários epidemiológicos pelo Instituto de Saúde Coletiva da UFBA (2007). É graduada em Enfermagem pela Universidade Católica do Salvador (2004). É membro do Grupo Temático Racismo e Saúde da Associação Brasileira de Saúde Coletiva - Abrasco. Colunista da Revista Afirmativa, do Blogueiras Negras e do Cientistas Feministas. Tem experiência na área de Desigualdades em Saúde, Saúde das Mulheres Negras, Saúde Reprodutiva, Direitos Reprodutivos, Racismo, Gênero e Saúde.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que mulheres negras são as que mais morrem na gravidez e no parto?

por Isabela Cavalcante no MetropolesA tenista Serena Williams escancarou os dados relacionando racismo e mortalidade materna nos EUA. No Brasil, a realidade não é diferenteSerena Williams emocionou os seguidores de suas redes sociais após falar das dificuldades sofridas no pós-parto. A tenista, de 36 anos, deu a luz ano passado a sua primeira filha e quase morreu devido a uma embolia pulmonar. Ao tentar alertar os médicos, a americana foi tratada com descaso até conseguir o devido tratamento. A situação motivou a atleta a divulgar sua história e falar sobre racismo e as estatísticas de mortalidade no parto. A atleta disse que teve sorte de ter acesso à saúde de qualidade, diferente de outras mulheres negras. “Os médicos não nos escutam, para ser franca. Talvez esteja na hora de ficarmos confortáveis em ter conversas desconfortáveis. Tem muito preconceito na situação, isso precisa ser resolvido”, contou. Nos Estados Unidos, mulheres negras têm três vezes mais chances de morre…

O racismo desequilibra, fere e pode matar

Fernanda Lopes[1]


Nas ultimas décadas foram registrados vários avanços em relação à melhoria das condições de vida e saúde das mulheres no Brasil. No entanto, os avanços não têm sido vivenciados pelas mulheres da mesma forma. Há desigualdades no acesso aos benefícios materiais e simbólicos que estariam potencialmente disponível no território nacional.

Sabemos que as condições de saúde, adoecimento e morte não são obras do destino e sim determinadas por fatores econômicos, sociais, culturais, ambientais,  políticos, além dos biológicos[i]. Olhando por este prisma, é fácil compreender que algumas das desigualdades experimentadas por grupos femininos não se justificam no tempo e no espaço, ou seja, existem e persistem em decorrência de injustiças e de violação de direitos.

No Brasil as condições de vida e saúde de mulheres negras em diferentes momentos do curso de suas vidas são evidências expressivas das iniquidades em saúde (desigualdades que, além de sistemáticas e relevantes, são tamb…

O Trabalho (de Parto) do Racismo